Sexta, 19 de Julho de 2024
15°C 32°C
Barra do Garças, MT

PM afirma ter encontrado 'esconderijo' onde criminoso que matou sargento em MT se escondeu

Durante cerco para capturá-lo, o suspeito, acompanhado de um comparsa, conseguiu fugir para uma região de mata próxima ao conjunto habitacional.

14/06/2024 às 06h45
Por: Redação Fonte: Marcus Dalacruz
Compartilhe:
reprodução
reprodução

A Polícia Militar obteve, na quarta-feira (12), pistas sobre o esconderijo de Raffael Amorim de Brito, de 28 anos, criminoso apontado como o assassino do sargento Odenil Alves Pedroso, no Complexo Izabel de Campos, em Várzea Grande, região metropolitana de Cuiabá. Sesp colocou mais de 300 policiais a sua procura na primeira semana do caso.

 

Durante cerco para capturá-lo, o suspeito, acompanhado de um comparsa, conseguiu fugir para uma região de mata próxima ao conjunto habitacional.

 

O sargento Odenil foi morto com um tiro na nuca disparado por Raffael em 28 de maio, enquanto trabalhava na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do bairro Morada do Ouro, em Cuiabá. Após o disparo, Raffael ainda roubou a arma do militar e fugiu em uma motocicleta Pop 100.

 

Os policiais que estão na busca do atirador desde o dia 28 de maio se dirigiram para a região montando o cerco. Conforme as informações do boletim de ocorrência, as equipes de inteligência receberam informações de que o autor do homicídio do sargento Odenil estaria escondido no complexo residencial conhecido como Complexo Izabel de Campos.

 

O local teria sido invadido e supostamente mora a irmã de Raffael. Com base nessas informações, a equipe de inteligência se dirigiu ao complexo e durante a tocaia visualizou dois suspeitos saindo do apartamento 102/bloco 1, sendo um deles com as mesmas características de Raffael.

 

No entanto, a dupla conseguiu fugir em direção a uma área de mata. Durante a busca no apartamento, os policiais não encontraram ninguém, mas descobriram um revólver calibre 38 marca Taurus sem numeração, com seis munições intactas, um rolo de plástico filme, uma barra e sete porções de maconha debaixo do sofá. As investigações relacionadas à identificação de outros possíveis envolvidos no homicídio, assim como a motivação para o crime, estão sendo conduzidas pela Delegacia de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP).

 

*com Folha Max

Lenium - Criar site de notícias